segunda-feira, 18 de outubro de 2010

DOENÇAS DO CABELO E DO COURO CABELUDO - ANOMALIAS

ANOMALIAS DA HASTE E DO COURO CABELUDO


Nelson Antônio Pereira Locatelli.

O cabelo (do latim capĭllus) é cada um dos pelos que crescem no couro cabeludo (parte superior da cabeça do corpo humano) há em média 3 milhões e meio de fios capilares em uma pessoa adulta, cresce em média 1 cm por mês. Diferenciam-se dos pêlos comuns pela sua elevadíssima concentração por área de pele e pelo desenvolvimento em comprimento. Acima de tudo, o fio de cabelo é um pelo. Possui a mesma estrutura de todos os pelos do corpo humano, porém tem suas particularidades. Vejamos à seguir algumas anomalias da haste e do couro cabeludo.

ANOMALIAS DA HASTE

Tricorrehexis Nodosa- Todo o comprimento da haste do cabelo (sobretudo na proximidade das pontas), encontramos a presença de verdadeiros nódulos, oriundos de uma alteração tanto longitudinal como transversal da secção curtical.

Dermatoses foliculares e hiperticoses - São alterações morfológicas e/ou estruturais dos pêlos, hereditárias ou não, congênitas ou adquiridas, e de solução terapêutica muitas vezes difícil.

Síndrome de Menkes- Doença do pêlo enroscado ou doença do pêlo duro. É distúrbio hereditário recessivo ligado ao cromossomo X, que resulta na absorção reduzida de cobre pelos intestinos. O sintoma está relacionado com níveis deficientes de cobre disponível, incluindo deterioração mental progressiva, cabelos frágeis, retorcidos ou enroscados, assim como alterações esqueléticas. A morte geralmente ocorre no decorrer dos primeiros anos de vida.

Moniletrix - Cabelos em conta de rosáreo. É afecção rara, hereditária, que surge na infância, caracterizada por dilatações e estreitamentos alternados nos cabelos e pêlos, que são curtos pelas fraturas que ocorrem. Os cabelos apresentam variação regular na espessura, adquirindo a aparência de nodosidades; afetam particularmente o dorso do couro cabeludo, embora o couro cabeludo inteiro e até mesmo os pêlos corporais possam ser afetados. Há uma alopecia parcial com ceratose pilar e tem sido encontrada na síndrome de Menkes e na argininossuccinilacidúria. Pode ser reconhecida pelo exame do pêlo com lupa e não há tratamento efetivo.

Tricorexe Nodosa - Desgaste do cabelo. É uma resposta do cabelo a um traumatismo. Os pêlos apresentam nódulos por haver uma dissecção longitudinal das fibras, o que ocasiona quebras. Vários fatores são incriminados para sua formação: sol, pente, escova, xampus, banhos de mar, etc. Há uma forma acompanhada de um transtorno metabólico como acidúria argininossuccínica, síndrome de Menkes e tricotiodistrofia.

Tricorrexe Invaginata – Cabelos em bambu. Trata-se de genodermatose muito rara, na qual em uma determinada região da haste, esta se alarga e a parte mais distal se invagina na parte mais distal do pêlo, cujo aspecto é o do nó de bambu. A tricorrexe invaginata é clássica na síndrome de Netherton, porém pode ocorrer isoladamente em lesões traumáticas nos cabelos normais ou em outras alterações congênitas da haste. Pode ser acompanhada de pili torti e tricorrexe nodosa.

Triconodose- Afecção comum, caracterizada por torção dos cabelos que formam nós ou laços consequente a procedimentos cosméticos ou fricção. É mais observado em cabelos curtos e crespos, e normalmente acomete cabelos mais finos.

Tricoptilose- É quadro comum, caracterizado por cabelos frágeis e bifurcado. Resulta do desgaste da cutícula que expõe as fibras da córtex, como a ponte de uma corda desgastada. As fendas podem ser apenas na extremidade livre ou em toda a extensão da haste, resultando em fraturas. Pode ser relacionada com o uso de fixadores, água quente, produtos químicos e escovadura excessiva.

Pili Torti - Pêlos Torcidos. É afecção congênita rara caracterizada por pêlos espiralados, torcidos em torno dos eixos, secos e quebradiços, cuja localização mais freqüente é o couro cabeludo. Herdada por gene autossômico dominante e pode ser associado com outras malformações. É a anormalidade de pêlo mais encontrada na síndrome de Menkes. O defeito é notado na infância pela fragilidade dos cabelos.

Pili Annulati - Cabelo em Anéis. É distrofia rara, congênita, geralmente autossômica dominante, na qual os cabelos apresentam faixas anulares alternantes, com áreas claras e escuras por alterações do córtex e da medula do pêlo, podendo ocorrer fraturas. Não há tratamento. Tinturas podem ser usadas.

Pili Pseudo Annulati- O aspecto é idêntico à Pili Annulati, mas difere porque nesse tipo de pêlo o anel brilhante é devido à reflexão e refração da luz por superfícies achatadas e torcidas do pêlo, enquanto naquele tipo de pêlo o anel mais claro decorre de alterações internas, no córtex e medula.

Pili Recurvati - Pêlos encravados. São pêlos que nascem obliquamente, encurvam e penetram na pele. Afecção freqüente, principalmente em pêlos da barba e da nuca. Os pêlos encravados podem causar uma reação inflamatória tipo corpo estranho e foliculite da barba. O tratamento é fazer a barba com o menor trauma possível, usando em seguida creme de corticóide associado com antibiótico. Em casos graves pode ser tentada depilação definitiva.

Pili Bifurcati- Trata-se de cabelo com fenda longitudinal circunscrita, de modo a dar o aspecto de bifurcação.

Pili Triangulati Et Caniculi - Síndrome dos Cabelos Impenteáveis. São cabelos com aparência desorganizada que não são penteáveis. A haste do pêlo tem um aspecto triangular à microscopia eletrônica, associado a uma depressão longitudinal. A quantidade de pêlo é normal, assim como o comprimento pode ser.

Pili Multigemini- Caracteriza-se pela presença de vários pêlos saindo de um único aparelho pilossebáceo.

Tricopoliodistrofia- PiliTorti com deficiência de cobre Síndrome de Menke. É afecção causada por gene recessivo ligado ao sexo, devida à incapacidade de absorção intestinal e utilização do cobre. O quadro inicia-se nos primeiros meses de vida e os cabelos são torcidos, sem brilho e quebradiços. Há atraso de desenvolvimento neuro-psicomotor, aneurismas e morte nos primeiros anos de vida. O diagnóstico pode ser confirmado com baixos níveis de cobre e ceruloplasmina no soro. O tratamento seria uma tentativa de substituição do cobre.

Cabelos Lanosos - Woolly Hair. É o cabelo crespo, encaracolado como na raça negra. Os pêlos lanosos, porém, são tão entrelaçados que se torna difícil penteá-los. Pode ser transmitido por gene autossômico dominante ou recessivo. É mais comum na criança e vai se normalizando na idade adulta.

Cabelo Com Casca - Hair Casts. Condição de provável origem hereditária, cujos cabelos apresentam uma envoltura ceratínica, devido à retenção de segmentos da bainha interna do folículo (material fluorescente-amarelo à luz de Wood).

Tricostasia Espinulosa- Consiste no acúmulo de pêlos no mesmo óstio folicular, dando o aspecto de ponteado negro. Parece ser devido à retenção de pêlos telógenos originários de uma mesma matriz pilosa.

Tricoglífos- Conhecidos popularmente como redemoinho é um grupo de cabelos que se implantam no couro cabeludo, formando uma imagem em espiral. É apenas uma alteração na disposição dos cabelos, não há nenhuma alteração anatômica do folículo piloso ou haste. Algumas deformações congênitas, como oxicefalia, dicefalia, microcefalia, trigonocefalia, síndrome de Down, síndrome de Prader-willi, apresentam redemoinhos em quantidade e características tão particulares que servem como um sinal diagnóstico da patologia.



ANOMALIAS DO COURO CABELUDO

Os problemas que mais preocupam são os da raiz (bulbo). Por uma série de fatores, os cabelos sofrem as conseqüências que às vezes os levam a queda parcial ou total (Alopecia). As situações em que é envolvido o couro cabeludo são anomalias tais como: Seborréia: substâncias oleosas que acumulam e se solidificam na raiz, inibindo a oxigenação, assim causando o sufocamento do bulbo; Hiperidrose: excesso de suor, causado pelo descontrole das glândulas sudoríparas, mistura-se ao sebo causando asfixia do bulbo e oleosidade nos cabelos; Anêmico: Acumulam-se os problemas acima descritos e é afetada a circulação sanguínea da papila pilosa tornando o sistema de alimentação do bulbo insuficiente.

OBS: Em todos os casos acima citados é indicado lavar os cabelos com água morna, uma boa limpeza é fundamental para a saúde de todos os cabelos. O choque térmico (água fria imediatamente após a limpeza dos cabelos) é benéfico e quase necessário, é cientificamente comprovada a sua eficiência.

Dermatoses foliculares e hiperticoses- São alterações morfológicas e/ou estruturais dos pêlos, hereditárias ou não, congênitas ou adquiridas, e de solução terapêutica muitas vezes difícil.

Alopecias cicatriciais- Queda de cabelo causada por traumatismo, queimaduras químicas ou físicas ou exposição a agentes radioativos usados com finalidade terapêutica. Podem ainda ser devidas a doenças que evoluem para atrofias ou cicatrizes, tais como piodermites, paracoccidioidomicose, leishmaniose, tuberculose, sarcoidose, herpes zoster, linfomas, tumores, líquen plano, esclerodermia, lúpus eritematoso fixo, pseudopelada de Brocq e foliculite descalvante.O tratamento deste tipo de queda de cabelo é combater a doença para impedir a atrofia ou cicatriz. Na fase de seqüela com atrofia, quando possível, pode-se fazer o implante de cabelos.

Alopecia areata (pelada)- Apresentam-se como áreas sem cabelo, arredondadas ou ovalares de tamanhos variados, únicas ou múltiplas, isoladas ou confluídas, sem alteração da pele, a não ser discreta hipotonia. Podem ocorrer no couro cabeludo e/ou em outras regiões pilosas. Em alguns casos, evolui para perda total dos cabelos. A causa é desconhecida, podendo estar relacionada a distúrbios emocionais, infecções ou ataques do próprio sistema imunológico. O tratamento da alopecia areata inclui:

• Tratar as possíveis causas, dando especial atenção aos distúrbios psíquicos e se necessário solicitar a colaboração do psiquiatra.

• Medicações rubefacientes em aplicações diárias ou em dias alternados. Estes medicamentos aumentam a circulação do sangue no local e de modo geral provoca a repilação.

• Medicamentos corticóides em solução ou pomada podem ser úteis. A sua ação é baseada na supressão do sistema imunológico no local.

Queda de cabelo de causa mecânica- Quando a queda de cabelo é devido a fatores físicos sobre o couro cabeludo, o tratamento é procurar afastar as causas. Em casos antigos, nos quais a ação traumatizante se fez por longo tempo, a alopécia pode tornar-se irreversível. Exemplos:

• Recém-nascidos: perda de cabelo, principalmente na região occipital, provavelmente devido à criança permanecer deitada por longo tempo. É transitória, não necessitando de tratamento.

• Certos penteados que provocam maior tração dos cabelos, comprometendo as regiões fronto-temporais e periferia do couro cabeludo.

• Também pode ser causada pelo uso de chapéus, quepes ou outros agentes compressivos.

• Pode ainda ocorrer em doentes que permanecem deitados por longo tempo.

• Tricotilomania: em pessoas que adquirem o hábito de arrancar os próprios cabelos e pêlos, surgem áreas de alopecia, nas quais os cabelos apresentam-se de diferentes comprimentos. O tratamento consiste em investigar e tratar a causa, em geral psicológica. O acompanhamento no psiquiatra é necessário.

Queda de cabelo devido a doenças infecciosas- Doenças infecciosas com febre alta durando de três a cinco dias podem causar queda de cabelo difusa, que se surgem entre 75 e 90 dias após o episódio febril. Nestes casos, os cabelos nascem novamente, sem tratamento. Na infecção por sífilis podem ocorrer áreas de rarefação de cabelos e/ou pêlos, constituindo a clássica alopecia em clareira. Após o tratamento da sífilis há recuperação dos cabelos e pêlos. Na hanseníase pode haver alopecia, em geral acompanhada de anestesia e anidrose. É comum a perda de pêlos no terço externo dos supercílios (madarose). Costuma ser irreversível, mesmo com o tratamento específico.

Queda de cabelo de causas sistêmicas- Pode ocorrer alopecia difusa em várias doenças que acometem o organismo como um todo:

• Lúpus eritematoso sistêmico,

• Dermatomiosite,

• Anemia ferropriva,

• Doenças carenciais e debilitantes,

• Diabetes,

• Hipertiroidismo,

• Hipotiroidismo,

• Doença de Addison.

O tratamento é o da doença sistêmica, ou seja, geralmente combatendo a causa, os cabelos crescem novamente. Em mulheres, após o parto, é comum a observação de alopecia difusa do couro cabeludo. Geralmente é pouco intensa, dura alguns meses e regride. A regressão do quadro pode ser favorecida com administração de complexos vitamínicos e apoio psicológico.

Alopecia Feminina Difusa- Este tipo de queda de cabelo apresenta diminuição de cabelos nas regiões fronto-parietais, de modo difuso, persistindo cabelos mais curtos e afilados; a pele perde parte da elasticidade, podendo ser acompanhada de seborréia. Em geral a queda está associada a perturbações hormonais, com aumento da progesterona, menopausa, ou pelo uso de injeções de andrógenos com fim de tratamento de outro distúrbio. O diagnóstico é realizado pelo médico, que geralmente solicita exames de dosagens hormonais. Tratamento deste tipo de queda de cabelo depende do resultado das dosagens hormonais, podendo ter indicação o uso de preparados antiandrogênicos, associados a estrógenos, a fim de combater a desregulação hormonal.

Calvície ou alopecia seborréica- Este tipo de queda de cabelo é mais comum no homem. A queda inicia-se nas regiões fronto-parietais e/ou no vértice, podendo progredir e atingir toda a parte central do couro cabeludo. Freqüentemente encontra-se seborréia do couro cabeludo, ou seja, aumento de oleosidade. Geralmente é tanto mais grave quanto mais precoce é o início da queda de cabelo. Em mulher a alopecia atinge principalmente a parte central do couro cabeludo e excepcionalmente ocorre a perda total dos cabelos. Muito mais rara. O tratamento da calvície pode retardar ou interromper o processo, e quanto mais precoce o tratamento, melhor o resultado. Os tratamentos disponíveis são:

• A finasterida é um medicamento utilizado no tratamento da calvície com bons resultados na interrupção da queda e no fortalecimento de capilar.

• Minoxidil para uso local em loções com resultados favoráveis, porém tem que ser usado por vários meses (3-4 meses).

• Para o tratamento da seborréia, recomenda-se o uso de sabonetes sulfurosos, xampus à base de coaltar, zinco ou cetoconazol.

A suspensão do uso poderá acarretar a queda dos cabelos recuperados, voltando à situação inicial. Medidas gerais tais como correção dos distúrbios emocionais, alterações hormonais, deficiências dietéticas, controle de pressão arterial, evitar o uso exagerado de descolorantes ou tinturas. Uma vez estabelecida a calvície o único recurso terapêutico é implante de cabelos, que até o momento vem apresentando resultados satisfatórios.

Simplex Capillitii Pitiríase (Caspa)- É o derramamento de células mortas do couro cabeludo. À medida que a epiderme começa a se restituir, as células são empurradas para fora, onde acabam por morrer e descamar. Na maioria das pessoas, esses flocos de pele são muito pequenos para serem visíveis. No entanto, certas condições, causam o aceleramento deste processo. Para as pessoas com caspa, o desprendimento das células da pele madura e pode ser quitado em 2-7 dias, ao contrário de cerca de um mês em pessoas sem caspa. O resultado é que as células mortas da pele são eliminadas em grandes grupos de hidrocarbonetos, que aparecem como manchas brancas ou acinzentadas no couro cabeludo. Há algumas evidências de que os alimentos (especialmente açúcar e fermento), o excesso de transpiração e o clima têm um importante papel na patogênese da caspa.

Dermatite seborréica- Verermelhidão e coceira são os sintomas e freqüentemente ocorre em torno de dobras do nariz e nas áreas da sobrancelha, e não apenas no couro cabeludo. Apresentam-se na forma de grandes escamas prateadas. Mudanças sazonais e o estresse podem influenciar a dermatite seborréica. O ácido salicílico remove as células mortas da pele do couro cabeludo e diminui a velocidade com que essas células são criadas. Contudo, a eliminação do fungo exige atenção maior para evitar reincidencia. Os agentes antifúngicos mais comuns são o Piritionato de Zinco, o Sulfeto de Selênio e o Cetoconazol.

Tinea da cabeça- São infecções causadas por fungos que atingem a pele, as unhas e os cabelos. Os fungos estão em toda parte podendo ser encontrados no solo e em animais. Até mesmo na nossa pele existem fungos convivendo "pacificamente" conosco, sem causar doença. Aparece com mais freqüência em crianças. Diagnosticada a partir de áreas arredondadas com os cabelos cortados rente ao couro cabeludo. É muito contagiosa. A queratina, substância encontrada na superfície cutânea, unhas e cabelos, é o "alimento" para estes fungos. Quando encontram condições favoráveis ao seu crescimento, como: calor, umidade, baixa de imunidade ou uso de antibióticos sistêmicos por longo prazo (alteram o equilíbrio da pele), estes fungos se reproduzem e passam então a causar a doença.

Canities – Cabelos brancos. Os cabelos grisalhos são causados pelo grande acúmulo de peróxido de hidrogênio devido ao desgaste do folículo piloso, o que bloqueia a pigmentação natural do cabelo.as as nossas células capilares fabricam um pouquinho de peróxido de hidrogênio, mas, à medida que envelhecemos, este pouquinho se transforma em muito. Nós clareamos o pigmento de nosso cabelo de dentro para fora e nosso cabelo fica cinza e, então, branco.

Escabiose (sarna)- Sarcoptes scabiei – Parasita causador da escabiose (sarna). Facilmente reconhecida, a sarna é uma doença de pele bem característica. “Causada por um ácaro – Sarcoptes scabiei variedade hominis – sua transmissão acontece através do contato pessoal”. Há, ainda, a possibilidade de ser transmitida pelo uso de roupas, cama ou colchões infectados. Mas esse meio é menos comum, pois o parasita, fora do hospedeiro, morre em menos de uma semana. Os parasitas escavam túneis (sulcos) muito finos sob a pele, onde as fêmeas depositam seus ovos, que eclodem dentro de 7 a 10 dias, dando origem a novos parasitas. Os principais sintomas da sarna são a coceira intensa, carocinhos e feridas. O tratamento consiste na aplicação de medicamentos, sob acompanhamento médico na forma de loções, sobre o couro cabeludo, mesmo nos locais onde não aparecem lesões. Terminada a primeira série do tratamento, este deve ser repetido após uma semana, para atingir os ovos deixados pelo parasita. A medicação também pode ser realizada por via oral, sob a forma de comprimidos ministrados em dose única. Pode ser necessária a repetição após uma semana. Em casos resistentes ao tratamento, pode-se associar os tratamentos oral e local. Para que o tratamento seja eficaz, deve ser feito tanto com quem manifestou a doença quanto com quem está em contato com o doente. Quando existe alguém com sarna, provavelmente, mais de uma pessoa possui o mesmo problema em casa. É recomendado lavar bem e ferver roupas pessoais e de cama para o tratamento ser completo.

Pediculose (Pediculus Humanus Capitis) - Piolho. A pediculose também é uma doença parasitária, causada pelo piolho. A transmissão do piolho acontece através de contato pessoal. O parasita vive do sangue sugado do couro cabeludo. A fêmea deposita lêndeas, ovos de cor esbranquiçada, nos fios de cabelo. A principal característica da doença é a coceira, que acontece com mais intensidade na parte posterior da cabeça. Com a coceira podem aparecer lesões secundárias, que infectadas por bactérias podem levar ao aumento dos gânglios linfáticos (ínguas) e,podem se tornar vetores de doenças infecciosas como o Tifo e febre corrente. O tratamento da pediculose capilar consiste na aplicação, nos cabelos, de medicamentos específicos para o extermínio dos parasitas e deve ser repetido após sete dias. Há, também, um tratamento através de medicação via oral, sob a forma de comprimidos tomados em dose única. Em casos de difícil tratamento, os melhores resultados são obtidos com a associação dos tratamentos oral e local. A utilização de pente fino ajuda na retirada dos piolhos. As lêndeas devem ser retiradas uma a uma, já que os medicamentos muitas vezes não eliminam os ovos.

Psoríase- As células da pele crescem fundo e ao poucos sobem à superfície. Esse processo de renovação da pele dura em torno de um mês. Com a psoríase isso acontece em apenas alguns dias porque as células sobem muito rápido e se empilham na superfície. Os sintomas da psoríase são manchas de pele vermelha grossa com escamas prateadas. Essas manchas podem coçar e doer. Não é contagiosa, geralmente desencadeada por fundo emocional. Pode ser controlada com ácido fumárico que forma-se naturalmente na pele quando esta é exposta ao sol. No caso de psoríase este processo é deficitário, sendo necessária uma exposição prolongada, ou a medicação do mesmo.































BIBLIOGRAFIA

- Anatomia, Fisiologia e Alterações Genéticas e Adquiridas.

www.sbcd.org.br

- Dermatoses do Couro Cabeludo.

www.lockfordiagnosis.com

- Queda de Cabelo.

www.bancodesaude.com.br

- Micoses Superficiais da Pele.

www.dermatologia.net

- Revista Ragga “Cientista descobre causa do cabelo grisalho.”

www.new.direvista.se.uai.com.br

- Escabiose e Pediculose Monique Cherpack- dermatologia.

www.hebron.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário